"Como nasci em São Paulo, sempre curti o ritmo acelerado da cidade e a vida noturna entrou naturalmente na minha rotina.

Por conta disso, a música sempre foi uma coisa fundamental pra mim.
Amo sair pra dançar - do D.Edge ao Mundo Pensante, já rodopiei em muita pista por aí e não tenho preconceito com nenhum tipo de som ou festa. Aliás, descobrir lugares novos (quanto mais underground, melhor) é comigo mesma.

Entre umas e outras, acabei descobrindo um hobby que se tornou uma espécie de segunda profissão: a de DJ. Comecei a discotecar nas noites do Guab no Milo Garage, literalmente na garagem de um cara chamado Milo na Rua Minas Gerais, perto da Av. Paulista, e não parei mais. Já toquei em vários clubs, tive minhas noites, fiz festa de todo tipo.

O melhor disso tudo não é só fazer uma graninha extra mas também conhecer pessoas, lugares e vibrações diferentes.

Sair da minha zona de conforto e buscar sempre novos sons, artistas e referências.

Amo comprar discos, garimpar e fuçar em cantos diferentes. É uma ótima maneira de exercer a criatividade fora da moda e de explorar mais essa cidade tão grande e cheia de coisa curiosa e surpreendente."

Chantal garimpa discos em todos os lugares, desde a Livraria Cultura do Conjunto Nacional, na Av. Paulista, até "essas barracas de feiras tipo a do Masp (também na Av. Paulista) ou do Bixiga (em Pinheiros), mas só tem que verificarse o disco está em ordem".

 

Para dançar, ela tem ido às festas Selvagem e Mamba Negra, que estão sempre mudando de lugar. 

 

 

 

Fotos: Vtao Takayma e acervo pessoal