"Bom dia! Você desperta - bem-amado, sem o amado, entre tantos, entre ninguém - depois de uma noite bem dormida (ou mal dormida) e qual é a primeira coisa que faz? Hum! Pega smartphone para conferir os likes, os posts e o que está sendo dito sobre tudo e todos. E só depois, nos minutos restantes para o primeiro compromisso da manhã, você corre para tomar banho, café, escovar dentes, vestir o figurino; você se arruma rapidamente, e vai à luta!

Agora, tomara que, em algum momento desse dia, você consiga separar um tempo para reparar no seu corpo, e como ele é fundamental para dar forma a tudo que você pretende concretizar.

Se você tem uma atividade profissional maravilhosa, tudo certo. Mesmo aos trancos e barrancos, nos dias de ressaca ou nos dias que começam com baixo astral, você vai fazer o que tem de ser feito, e talvez até ultrapasse as oito horas de trabalho. Afinal, com o passar das horas (e estando bem alimentado), nem se lembrará mais que queria ficar na cama, você simplesmente ama o que faz. E se for amado por alguém, saberá que, mesmo extrapolando as horas de atividade, está tudo certo, alguém lhe espera.

De domingo a domingo são tantas coisas para dar conta: cuidar dos familiares, dos amigos, vizinhos, conhecidos, agregados, colegas de trabalho e do próprio trabalho, ou ainda das próprias tarefas domésticas, que se acumulam sem parar na vida moderna. Quem dá conta? Você até se olha no espelho, mas eleitos são aqueles que reparam que, por trás da satisfação ou insatisfação física, existem músculos que nos auxiliam em todas as ações.

Para um corpo enferrujado, basta uma tosse com a coluna fora do eixo para, de imediato, ganhar uma dor nas costas.

Quando Michael Jackson morreu, inventei a seguinte teoria: 

Madonna, já bem depois dos trinta anos, chega para ele e diz:

 

- vamos malhar? 

- não tenho tempo - ele responde.

 

Não sei por que ele se ausentou dos palcos por dez anos, talvez estivesse sem tesão para fazer shows, talvez mesmo sem tempo. Mas, eis que, aos cinquenta anos, assina um contrato para fazer dez shows e faz o mundo inteiro ouriçar! Uau! Começam os ritmos de ensaios frenéticos, as longas horas de treino, as noites de tensão. E, meu Deus, é aí que Michael se dá conta que o corpo aos cinquenta anos não responde mais como antigamente. Deve ter lhe dado um desespero e um sentimento de fragilidade com a responsabilidade de manter a qualidade da sua arte. Por favor, preciso dormir! Adeus Michael. Triste partida, corações desfalecidos. Madonna, ao contrário, está aí, com corpo e mente afiados de dar inveja. Palavras e expressões tais como: disciplina, rigor, exercício, alongamento, reinvenção e “falem de mim bem ou mal, mas falem”, “vou fazer a coisa do meu jeito”, “quero os melhores profissionais ao meu lado” – fazem parte do vocabulário de vida dela. A superstar treina desde os primórdios da primeira passagem pelo Brasil. Trinta anos atrás? Acho que é isso. Mesmo que não tenha mais a agilidade dos vinte ou até quarenta anos, se mantém estimulada naquilo que mais ama fazer: estar no palco.

O corpo fala. Tenho mania de andar na rua e observar como as pessoas se movimentam: lentas, apressadas, na ponta dos pés, pernas abertas, pés desregulados, coluna torta, ombros em declínio para direita ou esquerda. Quando vejo uma pessoa inteira no seu eixo, babo!

Só falta dizer em voz alta: "curto muito sua postura ereta e elegante". Infelizmente a grande maioria não se percebe no movimento: braços, pernas, pés, tronco, cabeça - cada um vai se virando como pode para promover o mínimo de equilíbrio na execução das tarefas do viver e esquece de assumir o controle! De tão natural que é, simplesmente esquecemos que todas as partes estão conectadas, e que precisam de atenção e manutenção. Estudos apontam que, em média, apenas 5% dos músculos do homem contemporâneo estão sendo usados. Quando temos vinte anos nem imaginamos que com cinquenta anos tudo será diferente, para melhor ou pior. Tudo vai depender de como você trabalha sua forma física e as relações que mantém com seu corpo durante suas atividades diárias.

Tive sorte de ter praticado durante anos natação. Como um esporte completo, que depende de todos os músculos, você ganha na natação - ou na dança, por exemplo - a consciência de todo seu corpo. Depois de uma hora de nado ou dança, muitos músculos que você nem sabia que existiam, se manifestam: satisfeitos por terem sido usados. Se você não usa seus músculos, eles se atrofiam.

O corpo fala, mas poucos escutam.

Mexer o corpo é importantíssimo.
Antes eu achava que só os cariocas tinham um corpo lindo. E, para minha surpresa, descobri que paulistas e paulistanos cuidam muito bem do corpo; ocupam academias de musculação, dança, lutas marciais, espaços de aulas alternativas, parques da cidade, ciclovias, etc. É de admirar tamanha dedicação. Os verões na cidade de São Paulo estão cada vez mais deliciosos de se ver. Gente linda pelas ruas, com seus modelitos refrescantes e livres das lãs e casacos pesados de inverno.

Claro que há ainda muitos sedentários em São Paulo, Rio, no Brasil todo. Quando criança ainda usamos a maioria dos nossos músculos e, à medida que crescemos, o tempo e a cultura do entorno promove a castração do movimento. Essa castração se adapta a autoimagem que você constrói de si mesmo; a soma de tudo que você faz ou deixa de fazer por você, está intimamente relacionado aos seus hábitos - a ausência de parar, contemplar, respirar, se escutar, se desligar do mundo por mínimos dez minutos faz com que seja difícil você descobrir quais são suas verdadeiras necessidades, físicas ou psicológicas. E você responde: Não tenho tempo.

Não quero dizer que aqui que você tenha de sair correndo agora para fazer uma atividade física. Ou que tenha que se matricular numa aula de yoga. Comece devagar. Reinventar, refazer o estilo de vida, a autoimagem, mudar a forma de como se movimenta no mundo, não é algo que aconteça do dia para noite.

A reinvenção só começa quando você está ligado, quando todos os sentidos estão atentos, sentimento e percepção de mundo, unidos.

Minha dica é: dance, mexa-se, caminhe. Ligue o som. Dance sozinho, dance com o amado, dance para a natureza vibrando por um novo amor. Dance na faxina. Dance dez minutos. Estique braços, pernas, pés, desenferruje os músculos. Alongue-se. Quem tem gato em casa sabe que ele vive se alongado. Por que será?
Os melhores “likes” que você pode ter e nem se dar conta disso, esperando sempre o gostar do outro, são de você mesmo. Pense nisso. Entre no eixo: acredite, um corpo preparado para o movimento eleva muito sua autoestima e autoimagem. Por que no eixo, você saberá se posicionar melhor no mundo que almeja conquistar. Boa sorte e bons sonhos!"

 

 

 

Alexandre Heberte convida a todos para colocar Express Yourself, da Madonna, no fone de ouvido e ir dar uma volta pela Praça Dom José Gaspar, no centro da cidade.

 

 

 

 

 

Votação Meio-Fio

Depois das trocas de inspirações, histórias e experiências chegamos a uma nova fase do Melissa Meio-Fio: a exposição de ideias. Os Refletores foram convidados a desenvolver um projeto autoral que revelasse suas singularidades e devolvesse um pouco da força criativa que São Paulo oferece diariamente. Orientados por um Conector, eles receberam a chance de olhar para si mesmos, suas expressões e potências e criarem algo que refletisse seu percurso até aqui.

Descubra os projetos dos refletores e vote no seu favorito, 3 deles serão escolhidos e materializados em 2017