“'Mulheres Revolucionárias do Brasil' é um livro para o público infantojuvenil dedicado a construir e fortalecer a memória do protagonismo feminino no Brasil.

Acredito (e espero) que você irá concordar com a importância dessa iniciativa! São inúmeras as frentes que falam sobre igualdade de gênero para a geração do milênio, que, por sua vez, compartilha fervorosamente vídeos irresistíveis de meninas em lojas de brinquedos questionando e afirmando não precisarem se associar a princesas, ou de garotos que assumem que garotas são mais fortes. Chuva de likes! Mas qual informação histórica chega até essa novíssima geração?

Sabemos que uma das grandes questões culturais do país é a criação de memória que, por sua vez, resulta na criação de público, que leva a não vivermos uma verdadeira mudança de paradigma na sociedade.

Em outros palavras, poucos lembram o que aconteceu há pouquíssimos anos atrás, e a geração da internet consome tudo menos história. Inspirado na publicação norte-americana 'Rad American Women A-Z: Rebels, Trailblazers and Visionaries who shaped our history… and our future!' (Mulheres Americanas Radicas de A a Z: Rebeldes, inovadoras e visionárias que formaram nossa história… e nosso futuro), de Kate Schatz e Miriam Klein Stahl, também para o público infantil. 

É um projeto perfeitamente sintetizado pelas palavras de Kierkegaard: 'a vida só pode ser compreendida olhando-se para trás, mas só pode ser vivida olhando-se para frente'.

E quantos de nós, adultos, sabemos, por exemplo, quem foi a feminista Anésia Pinheiro Machado, segunda aviadora brevetada no país e a primeira brasileira a fazer voos acrobáticos, a transportar passageiros e a pilotar um voo transcontinental? Ou Justina Inês Cima, destaque na luta para que mulheres rurais tivessem direito ao ensino superior? Também está entre as homenageadas Nair de Teffé, uma grande difusora da cultura popular e a primeira cartunista mulher do mundo, que, não por acaso – na minha opinião – era brasileira. Estamos falando de uma publicação para todos os públicos e idades, com informações elementares (fruto de dois anos de pesquisa) sobre quem foram as mulheres que geraram profundas e significativas mudanças em todas as áreas do país: educação, cultura, esporte, política, medicina, direitos humanos, justiça, urbanismo, meio ambiente e igualdade de gênero.

É apenas o Volume 1, reunindo pela primeira vez informações que se encontram muito esparsas, sem a pretensão de deixar outras protagonistas igualmente relevantes de lado.

A escolha da artista visual Luisa Matsushita para ilustrar ea obra por meio de suas igualmente delicadas e penetrantes pinturas, baseadas em fotografias, não foi à toa. A criação de uma relação estética com o leitor, independentemente de sua idade, é muito importante para não dar apenas voz, mas também rosto a essas mulheres revolucionárias. Tenho o prazer de editar essa publicação ao lado de Aryane Carraro, figura importantíssima na construção do jornalismo dedicado ao público infantojuvenil no Brasil. 

 

Essa história é sobre você, que exerce direitos na nossa sociedade através da luta de figuras tão especiais."

O projeto de Duda será lançado por meio de financiamento coletivo, e precisa da sua ajuda. Apoie e divulgue - toda contribuição faz diferença.

 

 

Fotos: imagens da bióloga Bertha Lutz e da nadadora Maria Lenk, pintadas à óleo a partir de fotografias históricas por Luisa Matsushita