"Lembro de meu primeiro vestido, feito pelas mãos da minha mãe.

Venho de uma linhagem de costureiras e modelistas. Por isso, posso dizer que a minha paixão por moda, criação e arte vem de berço.

Com 21 anos de idade, enquanto via de frente como a abertura para o empoderamento ajudava mulheres como eu, negras e periféricas, com a autoestima destruída e tentando se encontrar em uma moda que não era feita para elas, fiz um trabalho para a faculdade e, sem olhar para trás, mergulhei de cabeça no mundo das roupas para pessoas reais.

A ideia veio para motivar a dominação e o conhecimento do seu próprio corpo, do seu próprio eu, da sua própria história, e externá-los como mulher de si, mulher forte, mulher moderna – mulher que é referência para outras mulheres. Busquei, da melhor forma, trabalhar a essência da mulher negra e periférica, trazendo à tona o poder escondido e oprimido muitas vezes pela sociedade padrãozinho europeu. As marcas de Fast Fashion não representam essa mulher e não fazem nada pelo seu corpo.

A DMAMACITA nasceu para proporcionar a liberdade de cultuar o próprio corpo. Ousar em qualquer ocasião.

A inspiração inicial da marca foi a cantora negra Karol Conka. Sou fã da sua história de vida e ela me representa como pessoa. Karol prega o empoderamento não só da mulher negra, mas de todas as pessoas que se sentem de alguma forma oprimidas pela sociedade que padroniza e ‘dita’ regras. Ela estimula as mulheres do Brasil a se libertarem, quebrarem correntes e ousarem na forma mais ‘sua’ que puderem. E se a forma é de curvas, o visual ‘casual-street’ é também uma referência. O estilo destaca essas curvas. Tenho para mim a ideia fixa de que curvas serão sempre sorrisos na pele de todas as mulheres.

O poder feminino está presente em cada uma de nós, todas as mulheres. Podemos ser o que quisermos. Hoje, temos força e união, e aprendemos que somos nós que criamos nossas próprias barreiras.

Eu quero que as mulheres resgatem o amor pelo corpo, o amor pela pele, o amor pelo cabelo, o amor pelo quadril grande ou pequeno, o amor pela identidade, pela sua ancestralidade e, acima de tudo, o amor entre nós mulheres.

Eu costurei peça por peça, e o trabalho de faculdade virou minha marca, minha vida.
As coleções têm peças versáteis feitas com o intuito máximo de empoderamento do corpo, da mente e da atitude feminina.

Não há limites para as mulheres. Não há limites para a DMAMACITA."

 

Os editoriais da DMAMACITA são famosos por homenagear o corpo, e as curvas, das mulheres. Os primeiros foram fotografados no bairro onde Daniella nasceu, Guaianazes, na Zona Leste.

 

Fotos: Vtao Takayama, Jessica Nunes, Amanda Adasz e Roberta Marreiro

Modelos:  Milo Bento, Gabriela Monteiro, Manuela Coelho, Ana Caroita