"Escrevendo este post para consumar a abertura do Bartleby, O Escrivão, de Herman Melville.

Eu trabalho com livros e vivo de livros. As pessoas ao meu redor escrevem livros, editam livros, desenham livros e imprimem livros.
Nada mais natural que eu ter uma estante repleta de livros. Um deles é o Bartleby.
Dizem que é um bom livro.
Dizem que foi o Herman Melville que o escreveu, o mesmo autor de Moby Dick, que também dizem ser um bom livro.
Dizem que é uma narrativa simples sobre um funcionário público – um escrivão – que nega dizer qualquer coisa sobre a sua vida durante todo o livro. A linguagem bloqueia a comunicação e não dá respostas, apenas perguntas.

– Você pode dizer-me, Bartleby, onde nasceu?
– Prefiro não dizer.
– Você me contaria alguma coisa sobre a sua vida?
– Prefiro não contar.

Dizem também que o livro foi editado com maestria pela Cosac Naify e que ele vem todo trancado, embrulhado em um plástico com uma etiqueta escrito: "Não compre este livro".

Dizem que, ao romper o plástico, o livro inteiro está fechado por uma costura.
Dizem que o papel verde da capa se chama guarnital e serve para vedar juntas do motor de carros.
Dizem que, ao romper a costura e folhear o livro, todas as páginas são veladas com tinta preta.
Dizem que, além de serem pretas, as páginas são todas dobradas, de modo que você precisa rasgá-las na lateral para poder acessar o texto que fica guardado do lado de dentro.
Dizem e eu acreditei. Por isso, nunca tive coragem de sequer tirar o livro do plástico.

Escolhi mudar alguma coisa em minha vida em cada post que fizer para o projeto Melissa Meio-Fio, e a mudança hoje será abrir e ler esse livro.

Rompimento anotado, desbloqueio de um pequeno símbolo perdido na lista de coisas não resolvidas que gente da cidade como eu adora colecionar. Um degrau para a leveza."

 

Bia guarda todos seus livros e zines na Casa Plana, espaço cultural que ela criou sozinha e que articula todos os tipos de reflexões sobre o universo da publicação. Fica no centro-real-oficial de São Paulo.

 

 Fotos: Vtao Takayama