Alexandre Heberte

Artesão e tecelão de formação livre, e estudante de Artes Visuais na Faculdade Paulista de Artes FPA, Alexandre nos lembra que, em qualquer etapa da vida, é possível tecer o próprio caminho.

O que você faz nesta cidade em um dia nublado? Eu teço São Paulo. Tecer me conecta com tempos e culturas ancestrais, mas também amo ser contemporâneo, conectado com o mundo. Acho que isso se reflete nos trabalhos que apresento."

Alexandre consegue tecer qualquer coisa. Fios, plásticos, relógios e até seus sentimentos. "Quando estou tenso, meus tecidos ficam mais grossos; quando estou feliz, transbordo cores." Vindo de Juazeiro do Norte, Ceará, sem nunca ter olhado para trás, Alexandre encontrou em São Paulo o universo têxtil e o seu chamado. "Descobri o tear e teci todo meu caminho de volta à vida." Com as fitas VHS em que gravou os desfiles do SPFW, ele fez o mesmo tecido que foi destaque na Casa Vogue meses depois. Em meio a diversas oportunidades e exposições, Alexandre já mostrou suas peças no MAC, fez residência artística no Ruralscapes e sua trama, Assum Preto, recebeu menção honrosa no 27º Prêmio do Museu da Casa Brasileira. E não há um dia em que ele não arrume seu espaço e comece a tecer, seja em casa ou pelas ruas de São Paulo.

Foto: Vivi Bacco